Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Na mídia’ Category

Ensino de espanhol ainda patina no Estado

Fernanda Barbosa
do Agora

Implantado somente no primeiro ano do ensino médio, fora do horário regular de aula, sem professores concursados e sem material adequado, o ensino de espanhol ainda patina no Estado. As aulas de espanhol se tornaram obrigatórias no ensino médio por lei federal, mas as escolas ainda não se adaptaram.

De 3.655 escolas estaduais com ensino médio, apenas 1.195 –ou um terço– contam com o ensino regular da língua, segundo a Secretaria de Estado da Educação. Segundo a pasta, as unidades só não oferecem a disciplina porque não tiveram procura suficiente, já que os alunos não são obrigados a fazer as aulas.

O Agora entrou em contato na semana passada com dez escolas estaduais, duas em cada zona da capital. Somente uma delas, a E.E. Professora Adelaide Ferraz de Oliveira, em Guilhermina (zona leste de SP), contava com aulas do idioma. Na porta da escola, no entanto, alunos da noite afirmaram não ter essa informação.

http://www.agora.uol.com.br/saopaulo/ult10103u956015.shtml

Ensino de espanhol ainda patina no Estado – parte 1

Ensino de espanhol ainda patina no Estado – Parte 2

Ensino de espanhol ainda patina no Estado – Parte 3

Anúncios

Read Full Post »

http://storage.mais.uol.com.br/embed_audio_280.swf?mediaId=11165096

Read Full Post »

La nueva ortografía “oficial” y lo que nunca se dice

El negocio tras la lengua y normas que ignoran la diversidad cultural

Publicado el 22 de Diciembre de 2010

Por Mariano Pedrosa
Lejos de una actitud pluricéntrica, la Real Academia Española impone denominaciones que ignoran las variantes del idioma. La polémica oculta sobre la motivación de los cambios propuestos y la falta de atención a la Web.

Hay una nueva ortografía “oficial” del español. Así lo decretaron la Real Academia Española (RAE) y sus compañeras menos monárquicas en Guadalajara, México, hace unos 15 días. Se lanzó el 17 de diciembre en Madrid. El breve tiempo entre la aprobación y la salida de imprenta llama la atención de algunos que recelan que los cambios ya estaban acordados previamente. Esta duda no pasa de ser una sospecha, pero pone en foco el negocio tras la lengua, un tema del que habitualmente no se habla.
El resultado de la reunión de las 22 academias cabe en pocas páginas, de hecho los cambios centrales han sido registrados en breves notas por todos los diarios de habla hispana. ¿De dónde salen, entonces, las 800 páginas anunciadas? La respuesta está en la extensión de los apartados explicativos que integran el nuevo volumen. Como lo expuso Moreno de Alba, director de la Academia Mexicana, durante su presentación, es nueva no porque “modifique reglas o cree otras nuevas, sino porque las explica en todo detalle”.
Si la intención panhispánica de las academias es verdaderamente pluricéntrica, ¿por qué imponer la denominación “uve” para la “v corta”? Es decir, ¿por qué disciplinar la diversidad que nunca ha afectado la unidad? Y si el objetivo planteado es dar herramientas lingüísticas a los 450 millones hablantes y no esconde ánimo de lucro por qué publicar trabajos colosales que sólo sirven a especialistas y no poner los PDF o crear dispositivos interactivos en Internet.
Se trata de dos polémicas que no suelen tener espacio en los medios de comunicación: una es la unificación arbitraria de diferentes variantes del español con normas inconsistentes, la otra es la motivación comercial de los cambios propuestos por las academias encabezadas por la RAE.
Respecto de la primera, algunos miembros de la misma Academia toman distancia. Javier Marías, por suerte, afirmó: “Voy a seguir escribiendo como me apetezca –y agregó– algunos se han quejado de que en lugar de espurio escribo espúreo, una fórmula que hace años que no acepta la RAE. Me parece más auténtico. La palabra espurio la encuentro espúrea.” Arturo Pérez-Reverte, otro español, en una red social expuso: “Seguiré escribiendo Qatar e Iraq –en vez de Catar e Irak–, de momento. También Y griega –y no ye–, sólo y guión.” Es que los cambios propuestos no siempre limpian, fijan y dan esplendor, como dice el famoso lema. En la misma línea, Fernando Vallejos declaró no entender por qué truhán y guión perdían el acento, lo mismo que el mexicano José Emilio Pacheco.
La segunda polémica gira en torno a que la arbitrariedad de los cambios y la mucha publicidad hacen fácil vincular la publicación de la “nueva” ortografía a la explotación editorial más que al interés por la lengua. Espasa y Santillana, sin concurso público, son las editoriales que comparten el negocio con la RAE, y en esta oportunidad navideña la primera tomó la posta. Tal vez porque Santillana tuvo a su cargo los dos últimos éxitos de venta, es decir, el del Diccionario Panhispánico de Dudas y la edición popular del Quijote. Esta última, presentada en Rosario, vendió 2000 ejemplares a dos días de su lanzamiento, al mes ya había agotado una tirada de 12 mil, y ya planeaba dos tiradas de más de 30 mil ejemplares, todo esto sólo (léase solo) en la Argentina. La primera tirada consta de 85 mil ejemplares para España, luego vendrá el negocio americano.
Para muchos,  la política panhispánica de la RAE es parte de la expansión económica española sobre América, dada la preponderancia que posee sobre las otras academias. Felipe Garrido, miembro de la mexicana, afirmó que la “Real Academia Española conserva una superioridad con –respecto- a las demás academias”, “es la única que tiene el presupuesto suficiente y tiene dinero para publicar los diccionarios”. Pedro Luis Barcia, presidente de la Academia Argentina, reconoció que el peso relativo de cada institución es monetario: “México compra desde hace 20 años 1,5 millón ejemplares de cada libro que publica la Academia Española o la unión de academias”.
Todos los caminos conducen a la RAE y la confusión de criterios lingüísticos con mercantiles oscurece las transformaciones que se quieren aplicar, y sobre todo tal vez sea tiempo de plantear una norma verdaderamente pluricéntrica.

 

http://tiempo.elargentino.com/notas/negocio-tras-lengua-y-normas-que-ignoran-diversidad-cultural

Read Full Post »

Se presentaron los distintos exámenes que se realizan en España, México y la Argentina

Ardua discusión internacional: ¿quién es el “dueño” del español?

Publicado el 27 de Noviembre de 2010

Por Mariano Pedrosa
En la Universidad Nacional de Cuyo, expertos de Iberoaemérica debatieron hasta ayer el problema, y negocio, de la certificación de las competencias de los hablantes no nativos del español. Los argentinos defendieron la autonomía.

Los estudiantes de Español como Lengua Extranjera (ELE) tienen problemas que jamás tendrían en su lengua materna. Dudas que jamás tendría un hablante nativo confunden y ofuscan diariamente a una multitud de extranjeros que intentan penetrar los arcanos del idioma. Explicar por qué “soy estudiante” y no “estoy estudiante” o, sencillamente, cuándo un sustantivo requiere o no el acompañamiento de un artículo demandan la presencia de un profesor que lo explique.
Pero, ¿quién certifica que un hablante no nativo adquirió las competencias lingüísticas necesarias para desempeñarse en diferentes ámbitos? Este es un campo que se disputa a nivel internacional. Por una parte, validado por los ministerios de Educación y de Relaciones Exteriores de la Argentina, está el CELU (Certificado de Español: Lengua y Uso). Por la otra, España posee el DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera), administrado por el Instituto Cervantes.
Durante esta semana, desde el miércoles y hasta ayer, en la Universidad de Cuyo se presentaron los diferentes exámenes existentes, elaborados en la Argentina, España y México. El Instituto Cervantes apunta a unir las diferentes certificaciones bajo un sello único. Se trata de una iniciativa trasnacional que tiene entre sus objetivos incrementar la importancia de la lengua española en el mundo. Esta postura es vista por muchos como colonialista por querer “quedarse con el negocio del español”, e indirectamente someter las autonomías a una verificación internacional.
Sin embargo, existen otros proyectos y otras preocupaciones en torno a la lengua, la UBA resalta el trabajo realizado con residentes –migrantes o poblaciones aborígenes internas que, a veces, llegan al castellano como segunda lengua– y al llamado turismo lingüístico constituido por los extranjeros que quieren estudiar el idioma en el país, actividad que crece sin pausas en la Argentina (ver recuadro).
¿Es posible pensar en políticas lingüísticas centradas en nuestras propias necesidades? Consultada por Tiempo Argentino, Leonor Acuña, investigadora del Instituto Nacional de Antropología y representante de la UBA en el CELU, responde que sí: “En la Argentina se hace mucho en esa dirección. Esas acciones no tienen, a veces, tanta visibilidad, pero tenemos la experiencia de formación de docentes indígenas bilingües en el Chaco, por ejemplo, o la enseñanza de español a los refugiados por convenio con la ACNUR.”
La investigadora opina que una certificación propia permite a la Argentina desarrollar una orientación autónoma de la enseñanza del castellano. “Producir nuestro propio enfoque sobre el tema influye en los procesos de enseñanza y en la creación de materiales pedagógicos, entre otras cosas. Todo esto –destaca– hace a la autonomía de la investigación y a pensar diferentes estrategias de inserción tanto nacionales como regionales.”
Desde este lugar, podemos integrarnos a otras organizaciones, pero siempre desde la agenda de trabajo que decidimos autónomamente.
En el encuentro en la Universidad de Cuyo, académicos de América y España expusieron posiciones enfrentadas, la necesidad de unificar criterios de evaluación de los hablantes no nativos, o si es posible la convivencia de diferentes propuestas sobre nuestra lengua. La discusión no es menor, ya que implica pensar políticas no avasalladoras centradas en las necesidades locales y regionales, y claro, también involucra avanzar en la discusión respecto de si hay un dueño de la lengua castellana legítima, o no.

http://tiempo.elargentino.com/notas/ardua-discusion-internacional-%C2%BFquien-es-dueno-del-espanol

Read Full Post »

No primeiro semestre, só um quinto das escolas da rede cumpria lei

Rio – Obrigatória desde o início do mês em todas as escolas de Ensino Médio do País, a disciplina de Espanhol não tem professor concursado suficiente para fazer cumprir a Lei Federal 11.161, de 2005, que deu prazo de 5 anos para a implementação da regra. Essa é a realidade nas escolas da rede pública estadual e federal, aponta a Associação de Professores de Espanhol do Rio (Aperj). Segundo a entidade, a língua já é lecionada no estado desde 1984, mas, até um mês atrás, só 20% das unidades estaduais ofereciam a matéria.

Foto: Eduardo Naddar / Agência O Dia
Maria Cristina: ‘Espanhol é falado por cada vez mais pessoas no mundo’ | Foto: Eduardo Naddar / Agência O Dia

Levantamento da Aperj aponta para a existência de 500 professores da língua nas 1.640 escolas estaduais do Rio. Este ano, teriam sido convocados mais 861 concursados. O sindicato estadual de professores afirma serem insuficientes as vagas abertas nos concursos.

“Tradicionalmente, o Inglês sempre foi a língua preferida dos colégios. Mas o Espanhol é falado por cada vez mais pessoas no mundo”, defende a professora de Espanhol do Centro de Educação Profissional e Tecnológica Maracanã, desde 2005, Maria Cristina Giorgi.

“O Estado do Rio foi um dos que mais se prepararam para a nova lei. Mesmo assim, ainda há carência de profissionais. O problema está na rede pública. Muitas escolas não oferecem a matéria e usam o horário do Espanhol para aulas de outras disciplinas”, denuncia a presidente da Aperj e professora da UFF, Luciana Freitas.

A Escola Estadual Herbert de Souza, na R. Barão de Itapagipe, Tijuca, é uma das que ainda não cumprem a nova regra. “Estudo há 3 anos aqui e nunca tive Espanhol”, diz Naira Inácio, do 3º ano. A Aperj aponta duas instituições federais que não estariam cumprindo a lei: o Colégio de Aplicação da UFRJ (CAp) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRJ).

O IFRJ alega falta de profissionais concursados, acrescenta que a lei eleitoral proíbe convocação nesta época do ano e garante que o problema será solucionado após as eleições. Procurado por O DIA, o CAp/UFRJ não se manifestou. E a Secretaria Estadual de Educação diz que a nova lei está sendo cumprida em toda a rede.

Reportagem de Denis Kuck

http://odia.terra.com.br/portal/educacao/html/2010/8/estado_nao_tem_mestres_suficientes_para_ensinar_espanhol_102554.html

Read Full Post »

No último dia 09/08, o jornal O Globo publicou na coluna Gente Boa, uma nota intitulada Nosotros y Hermanos, falando sobre a obrigatoriedade do ensino do espanhol. No entanto, termina com a seguinte pérola: “A coluna torce para que seja o espanhol de Cervantes, e não o de Maradona.”

Uma série de textos de repúdio foram escritos por professores e associações de professores de espanhol de diversos lugares do país. Reproduzimos abaixo algumas dessas cartas destinadas tanto ao jornal quanto ao jornalista.  (Todos os textos a seguir foram publicados pelos respectivos autores na lista de discussão do ELEDOBRASIL).

O blog pede que outros professores, que assim como nós, se sentiram ofendidos com a nota do jornal também se manifestem tanto aqui quanto nas vias de comunicação do jornal e do próprio jornalista.

Seguem os textos de repúdio:

Prezados colegas,

A Associação de Professores de Espanhol do Estado do Rio de Janeiro (APEERJ) iniciou, recentemente, uma campanha de incentivo a denúncias das escolas que não estejam cumprindo a lei federal 11.161/05, que determina a oferta obrigatória do espanhol no Ensino Médio e cujo prazo de implantação terminou no último dia 5 de agosto.

No entanto, vimos a público manifestar nossa enorme indignação diante da nota publicada no dia de hoje (09/08/2010) na coluna Gente Boa do Jornal O Globo. Lamentavelmente, o comentário do colunista “a coluna torce para que seja o espanhol de Cervantes, não o de Maradona” reproduz um arraigado preconceito lingüístico que insiste em atribuir ao povo hispano-americano um lugar depreciativo. Os professores de espanhol lastimam a opinião da coluna que, indubitavelmente, não reflete o esforço que nós, educadores, há muitos anos, dedicamos não somente à implantação do ensino de espanhol nas escolas brasileiras, mas, sobretudo, à construção do respeito à diversidade lingüística e de uma visão de mundo mais justa em relação à cultura latino-americana.

Atenciosamente,

Diretoria da APEERJ

Biênio 2008-2010

_______________________________________________________

Na sua edição de 09/08/10, o jornal O Globo publicou uma nota na coluna “Gente boa”, digna do repúdio de todos os brasileiros e, sobretudo, de todos nós, educadores. A nota contém um nível de preconceito que vai na contramão de tudo o que se espera de uma sociedade decente, ética, respeitosa, estimula rivalidades ridículas e fere normas básicas de conduta. Vai no sentido contrário do respeito à diversidade e do saudável convívio com a diferença. Também contraria todos os interesses no sentido de uma integração regional, que precisa ir muito além do âmbito comercial. Meus pêsames a um jornal que estimula isso nos seus leitores! É triste e lamentável! Tanto se fala em educação, tanto se cobra dos governos para que ela seja de qualidade e a dita imprensa “livre” se manifesta dessa forma deseducadora. Essa “liberdade” é tão nociva quanto a pior das censuras. Meu repúdio veemente e envergonhado por saber que existem “jornalistas” e “jornais” que atuam nesse sentido, revelando o pior lado da nossa imprensa e de muitos de nós. Espero que O Globo se desculpe publicamente.

Profa. Dra. Neide Maia González

FFLCH/USP

Representante da área de Língua estrangeira na Comissão Tpecnica do PNLD para o Ensino Fundamental

MEC/SEB/COGEAM

Professora de Espanhol

EDUCADORA

_______________________________________________________

Manifesto minha mais profunda indignação diante do comentário infeliz, preconceituoso e retrógrado do colunista desse  jornal. É inacreditável que, no contexto multiculturalista em que vivemos, ainda haja meios que se prestam a veicular valores tão perniciosos, que tanto dano e atraso já causaram e causam, em relação ao imaginário e à realidade da língua/cultura espanhola no Brasil.

Lutamos por uma realidade de integração entre os povos, em prol da diversidade. O comentário do jornalista incita à discriminação, à exclusão. Aqui não se trata de um jogo de futebol, de ficar nesta ou naquela torcida. Há uma lei sobre o ensino de espanhol no Brasil e que precisa ser cumprida. Falamos em exercício da cidadania, como estou fazendo agora.

Aguardo uma retratação pública e urgente do jornal.

Sou professor de espanhol da Universidade Federal de Uberlândia – MG e somo meu protesto ao dos/as demais colegas que já se manifestaram.

Ariel Novodvorski

________________________________________________

Sou professora de espanhol e venho manifestar meu veemente protesto ao comentário publicado em sua coluna no jornal O Globo (09/08).

Lamento profundamente seu desconhecimento e declarado preconceito linguístico e cultural. Um jornalista deveria pensar muito antes de tornar público o seu pensamento, neste caso, deformado.

Imagine se em outros países um jornal publicasse ideia semelhante: que é preferível aprender o português de Camões a aprender o de Pelé.

Exatamente no momento em que a comunidade de professores de espanhol no Brasil vem lutando arduamente pela a implantação digna do espanhol no Ensino Básico, defendendo, entre outras coisas, o reconhecimento e respeito pelos diferentes povos que falam essa língua, o senhor declara sua opinião estapafúrdia. Teria sido melhor ficar calado.

Elzimar Goettenauer M. Costa

Professora de Espanhol

http://www.letras.ufmg.br/profs/elzimar/
FALE – UFMG
___________________________________________________________

Sou professor de língua espanhola na Universidade Federal Fluminense, natural da Espanha e assinante do Globo, e quero manifestar o meu repúdio mais veemente ao comentário preconceituoso com a minha língua, com a América Latina em geral e com a Argentina em particular, que tive a desgraça de ler no dia de 9 de agosto na seção Gente Boa desse jornal.

O ensino de língua no Brasil guia-se pelo princípio do respeito à diversidade e pela valorização de todos os falares. A implantação responsável da língua castelhana no currículo das escolas brasileiras deve servir precisamente para acabar de vez com o preconceito que essa coluna difunde de forma irresponsável. A  língua de Maradona é, na sua diferença, a mesma de Sarmiento, Borges e Cortázar, de Cervantes, García Márquez, e Ramón María del Valle-Inclán, é a minha própria língua e a do mais humilde falante do universo hispânico.

Acho lamentável que um jornal tão importante como esse, fazendo uma piada preconceituosa e de mau gosto, desperdice mais uma oportunidade para se somar à cultura linguística do respeito à diversidade que os profissionais do ensino tentamos construir.

Xoán

_________________________________________________________________

Sou professora de espanhol da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, assino o jornal O Globo e costumo ler essa coluna. Em relação ao dia 09/08, li um comentário que me indignou porque indica preconceito e ignorância sobre a língua espanhola ser “melhor” se vem de uma determinada região/país ou de outra. Cada país, e internamente a ele cada região, tem seu modo de apropriar-se de sua língua e isso faz com ela seja parte da expressão da cultura desse povo.

É inadmissível que uma coluna do jornal O Globo exponha ideia tão desagradável para todos nós brasileiros. Como professora que forma futuros professores de espanhol contra todo tipo de discriminação, essa coluna representa o que não desejamos para nossa visão de língua e ensino de língua.

Espero que o responsável da coluna possa publicar um pedido de desculpas pelo desacerto.

Cordiais saudações

Vera Sant’Anna

_______________________________________________________

Sou professora de Literatura Espanhola e Tradução na Universidade Federal de Santa Maria (RS) e, diante da infeliz observação desta coluna no dia 09/08/2010, venho manifestar meu repúdio à postura depreciativa e preconceituosa com que O Globo se refere ao ensino da Língua Espanhola no Brasil.

É lamentável que um jornal que se quer responsável e respeitável veicule afirmações tendenciosas e simplistas, demonstrando desconhecer que a aprendizagem de uma língua estrangeira e de sua respectiva cultura – seja ela qual for – , tem como premissa fundamental despir-se de todo e qualquer preconceito e perceber que  a diversidade é um fator de acréscimo a esta mesma aprendizagem, tornando o indivíduo mais tolerante e menos narcisista.

Lamento veementemente que ainda haja espaço na imprensa nacional para tais manifestações anacrônicas e irresponsáveis.
Solicito retratação.

Obrigada,

Profa. Dr. Luciana Ferrari Montemezzo
UFSM

_______________________________________________________

Prezados senhores e prezado Joaquim Ferreira dos Santos:

A Associação de Professores de Espanhol de Minas Gerais se une a outras associações de professores de espanhol do país e a diversos educadores que se manifestaram em repúdio ao comentário infeliz sobre o ensino de espanhol veiculado em 9 de agosto de 2010.

Em Minas Gerais também  esperamos um pedido de desculpas público deste jornal, já que o que defendemos sempre é um respeito à diversidade de povos, línguas e costumes – que é o que deveria fazer parte também da conduta dos profissionais de um veículo tão importante como O Globo.

Prof. Dr. Eduardo Amaral

Associação de Professores de Espanhol de Minas Gerais

_______________________________________________________

Prezado senhor,

Na condição de professor de Literatura Espanhola, exercendo minha profissão há 42 anos no Brasil, minha pátria de adoção, não posso omitir-me perante a sua infeliz manifestação em sua coluna Gente Boa, no jornal O Globo, na data de ontem. Estabelecer hierarquias qualitativas entre as modalidades da língua falada em diversos países revela uma falta de conhecimentos básicos com relação a que seja um idioma. Mas quando essa distinção é feita opondo indivíduos, como Cervantes e Maradona, o fato constitui uma grave discriminação. A infelicidade de sua colocação agrava-se na medida em que os habitantes de nosso país precisam conhecer as modalidades da língua dos nossos vizinhos, especialmente as daqueles por diversos motivos mais próximos, para que possamos progredir no processo de integração por todos nós almejado. Mais ainda, é preconceituosa sua manifestação, com relação a um futebolista que fala a língua que os argentinos falam, modalidade da língua em que escreveu Cervantes, mas que é a mesma língua. Isso revela uma intolerância que, aliás, seria desastrosa se aplicada em termos práticos. Basta pensar num exemplo paralelo, já colocado por uma  colega nos numerosos recados que sua manifestação provocou na Internet: os argentinos não deveriam estudar a língua de Pelé e sim a de Camões…

Convido o senhor a se manifestar em sua coluna, pedindo desculpas aos leitores de O Globo, a Maradona, aos argentinos e a Cervantes. Aliás, porque Cervantes escreveu o melhor manual de tolerância que eu conheço, Dom Quixote de la Mancha, uma de cujas melhores traduções ao português foi feita, no Brasil, por um argentino. O senhor deveria lê-lo.

Cordialmente,

Prof. Mario M. González

Professor Titular de Literatura Espanhola

Universidade de São Paulo

_______________________________________________________

Sr. Jornalista responsável pela coluna “Gente boa”

Sou professor na Universidade de São Paulo, na área de língua espanhola. Uma das disciplinas que com mais freqüência ministro tem a ver precisamente com a variação em espanhol, a existência ou não de “espanhóis” de regiões, classes, etc.

A absoluta falta de informação mais elementar levou o senhor a enunciar a existência de um “espanhol de Cervantes” e outro que, imagino que figurativamente, denomina “de Maradona”, que deveria ser evitado. Como especialista só posso lhe pedir que se informe um pouco, porque nenhuma dessas entidades que o senhor imagina têm algo a ver com a realidade da variação na língua espanhola. Mas como cidadão, me permito realizar algumas perguntas para colaborar com a explicitação pública de sentido que tencionou transmitir na sua expressão de desejos.

Podemos supor que, ao contrapor Cervantes com Maradona, o senhor quis dizer que espera que se ensine o espanhol, de pessoas cultas e não de ignorantes. Ora, o senhor não conhece alguma pessoa culta, dentre as centenas de milhares de seres que falam espanhol no mundo, que não tenha morrido há quatro séculos? Tão limitado é seu conhecimento, que precisa mencionar alguém cuja fala faz parte de um passado tão remoto? E como é que uma disciplina escolar, necessariamente ministrada por professores, pessoas escolarizadas, poderia difundir a fala dos ignorantes? Ao que é que o senhor quer se referir realmente?

Seu desejo é que se ensine a língua “dos espanhóis” e não a “dos argentinos”? Embora como especialista eu saiba que essas duas também não existem, se essa foi sua intenção, e dado que parece estar preocupado pelo ensino, convido-o a conhecer indicadores educativos da Argentina. Mesmo com o deterioro das últimas décadas, ainda hoje alguns desses indicadores poderiam ser boas metas para alguns segmentos da nossa população escolar. E o que é que o senhor conhece sobre a cultura argentina, sobre suas realizações em matéria de artes, ciências, cidadania? Faz idéia, por exemplo da trajetória e do volume de cooperação científica e tecnológica que o Brasil mantém com esse país? Os responsáveis por essas áreas nos governos nacional e estaduais, incluso os da oposição, têm isso bastante presente, daí que a cooperação tenha se intensificado em múltiplos acordos bilaterais. Informe-se. Por enquanto, eu enviei sua matéria ao Consulado Geral da Argentina em São Paulo. Espero que o jornal, responsável por publicar suas palavras, tenha alguma resposta, se for solicitada.

Ou será que o senhor queria expressar o anseio de que se ensine uma língua de europeus, não de latino-americanos. Acaso o Brasil é parte da Europa? Sua população, sua cultura, fazem pensar nesse arraigo? Ou o senhor prevê que o Brasil será integrado na União Européia? Sr. Jornalista, sabia que, devido aos acordos vigentes de integração regional, os brasileiros podem se estabelecer em países vizinhos, trabalhar e estudar neles sem visto prévio? Tem noção de quantos estudantes brasileiros têm aproveitado essas oportunidades, de quantas empresas brasileiras as aproveitam para deslocar técnicos para esses países? E acaso isso acontece com os brasileiros na Europa? O senhor sabe quantos brasileiros são barrados querendo entrar, mesmo como turistas, na terra “de Cervantes”?

Por último, no caminho das hipóteses, saiba que sua contraposição também pode ser entendida como querendo frisar que se ensine uma língua de brancos (como o senhor deve supor que foi Cervantes) e não de mestiços (como é Maradona). Se assim foi, prefiro não mais perguntar.

E se não foi nada disso, poderia esclarecer o que quis dizer? E se nada quis, pelo menos, reconhecer que, como tantas vezes aconteceu com Diego Maradona, melhor era ficar quieto.

Prof. Dr. Adrian Pablo Fanjul

Universidade de São Paulo

Read Full Post »

Clique para ler notícia sobre a implementação no jornal Agora

Read Full Post »

Older Posts »